A vastidão do poder de Deus COMO PODE UM SER INFINITO FAZER ALGO DO NADA? Aaron Joseph Hackett | Filosofia | 0 5 / 04 /20

Deus fala, as coisas acontecem

 

A maioria de nós conhece a história do Gênesis. Que Deus criou tudo em seis dias e no sétimo dia, ele descansou. Você já se perguntou quem é Deus? Quanto poder ele tem e como é possível criar o universo? Deus é um ser que é único apenas para si mesmo. Nenhuma outra força externa o ajudou na criação do universo. Portanto, Deus é o único criador do universo conhecido. Vamos dividir o capítulo um de Gênesis.

 

Gênesis 1: 1-5 “No princípio, Deus criou os céus e a terra. A terra estava sem forma e vazia, e as trevas estavam sobre a face das profundezas; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. E Deus disse: “Haja luz”; e havia luz. E Deus viu que a luz era boa; e Deus separou a luz das trevas. Deus chamou a luz Dia, e as trevas ele chamou Noite. E houve tarde e manhã, um dia ” .

A existência de um ser criado é “implantada naturalmente”. No fundo do nosso intelecto humano, sabemos que algo está lá fora. Não sabemos o quão “grande” Deus é em termos de medida, e ninguém viu o rosto de Deus para fazer uma descrição dele. Só veremos Deus quando chegarmos ao céu e desfrutá-lo na visão beatífica. Agora alguém pode lhe dizer: “Se eu não posso ver Deus, ele não existe”. Só porque eu não posso ver meu próprio DNA a olho nu, não tira o fato de que eu tenho um tipo específico de DNA que é atribuído ao meu ser criado. Chegamos a entender Deus em um sentido metafísico. São Tomás de Aquino em sua Summa Theologica que “O Apóstolo diz:” As coisas invisíveis Dele são claramente vistas, sendo entendidas pelas coisas que são feitas “(Romanos 1:20). Mas isso não seria, a menos que a existência de Deus pudesse ser demonstrada através das coisas que são feitas; pois a primeira coisa que precisamos saber é se existe.

 

Eu respondo que, a demonstração pode ser feita de duas maneiras: uma é através da causa e é chamada “a priori”, e isso é argumentar daquilo que é anterior absolutamente. O outro é através do efeito, e é chamado de demonstração “a posteriori”; isto é argumentar do que é anterior relativamente apenas para nós. Quando um efeito é mais conhecido por nós do que sua causa, do efeito prosseguimos para o conhecimento da causa. E de todos os efeitos a existência de sua causa apropriada pode ser demonstrada, desde que seus efeitos sejam mais conhecidos por nós; porque como todo efeito depende de sua causa, se o efeito existe, a causa deve preexistir. Portanto, a existência de Deus, na medida em que não é evidente para nós, pode ser demonstrada a partir dos efeitos dEle que são conhecidos por nós.[1] Deus para mim é um ser, tão puro que minha própria razão mental não pode imaginá-lo, mas a presença de seu prefeito está ao nosso redor. Ele também é essência pura. Definimos essência como substância. Isso significa que Deus é único, único, ele não pode ser replicado. Esta não é a mesma comparação com meu corpo e alma, porque ambas são formas muito distintas de ser, mas trabalham em união umas com as outras para me tornar eu. Minha alma trabalhando em união com o meu corpo físico, porque dá poder à minha função no sentido físico, e sem a minha alma, a matéria física do meu corpo não teria movimento e seria apenas uma concha vazia de um tecido orgânico. Minha alma ajuda a me dar o potencial de me movimentar, comer e funcionar no dia-a-dia. Deus não precisa de um corpo para trabalhar, mas com suas palavras, o próprio mundo pode existir. Só podemos imaginar como é vasta a mente de Deus. Pense no sol, por exemplo. Com base nas pesquisas do Sr. Ron Kurtus, sabemos que o sol “consiste em cerca de 70% de hidrogênio, 28% de hélio e 2% de metais como ferro. Outras características são sua rotação, temperatura e radiação. ” [2] Também sabemos que o sol está 15.600.000 c no centro do núcleo. Tudo bem, então, se a ciência pode provar certa fórmula matemática para explicar a função do sol, então não deve haver Deus. Afirmo que, mesmo que possamos descobrir em matemática qual é o diâmetro do sol, ou quanto o diâmetro do Sol se compara à terra, isso não tira a ideia de por que a forma do sol foi criada da maneira que é, ou por que precisamos do sol para que as plantas cresçam, forneçam calor aos seres humanos. O sol não apenas “surgiu do nada”. Eu diria que, se o sol simplesmente surgiu do nada, por que não surgiu como a forma de um pássaro, por que está quente ou como sei com certeza que é importante para mim ?

 

O mero fascínio da terra por ter todos os recursos dos quais dependemos hoje também não é um “acidente”. Deus separou a água e fez o céu e o oceano. Como um ser pode fazer uma separação física e criar o céu e o oceano? Astrônomos descobriram que o universo era basicamente hidrogênio e hélio ( íon hidreto de hélio ( HeH +)[3] , essa molécula foi a fonte da energia no universo. Com base na rapidez com que essa molécula estava se movendo, ela poderia separar a molécula da água removendo o oxigênio? H2O é a menor das moléculas. Assim, você pode possivelmente imaginar como líquido pesado é, compara a gás. Como não podemos ver o vapor, isso poderia explicar facilmente como foi feito naturalmente? Essa era a mesma energia que separava o céu do oceano?   O filósofo David Hume diria que “como filósofo, se eu estivesse falando com um público puramente filosófico, deveria dizer que deveria me descrever como um agnóstico, porque não acho que exista um argumento conclusivo pelo qual se prove que existe não é um deus.

 

Por outro lado, se devo transmitir a impressão certa ao homem comum na rua, acho que devo dizer que sou ateu, porque quando digo que não posso provar que não existe um Deus, devo acrescente igualmente que não posso provar que não existem deuses homéricos. ” Isso me diz que algo para apenas flutuar em torno de lá e apenas fazer as coisas acontecerem, é apenas uma invenção da minha imaginação. A ciência acaba de explicar como esse evento ocorreu e provar que não precisamos de um Deus para fazer o céu e o oceano e que a terra seca apareça. Tudo aconteceu rapidamente e o sentimento universal se encaixou em sua respectiva ordem . Por falta de razão suficiente, não há provas de que Deus ou qualquer outro participante desse evento na história do universo.

Eu iria refutar David Hume e dizer que mesmo este evento física ocorreu do jeito que aconteceu, e não vemos, isso não significa que Deus não estava lá para fazer acontecer ed . Apenas jogando ao redor da “teoria do big-bang ” uma é a razão para este evento física a ter lugar também não é suficiente . O que causou isso até mesmo para começar? Algo apenas tinha que colocar isso em movimento. Para que os dois corpos de água se separem por si só, não se sustentam por conta própria. São Tomás de Aquino compartilha sua resposta a esta questão de uma causa externa sempre ativa. “O primeiro e mais manifesto caminho é o argumento do movimento. É certo, e evidente para os nossos sentidos, que no mundo algumas coisas estão em movimento. Agora, o que quer que esteja em movimento é posto em movimento por outro, pois nada pode estar em movimento, exceto em potencialidade àquilo em que está em movimento; enquanto uma coisa se move na medida em que está em ação. Pois o movimento nada mais é do que a redução de algo da potencialidade para a realidade. Mas nada pode ser reduzido da potencialidade para a realidade, exceto por algo em um estado de realidade. Assim, o que é realmente quente, como o fogo, faz com que a madeira potencialmente quente seja realmente quente e, assim, a move e muda. Agora, não é possível que a mesma coisa esteja ao mesmo tempo na realidade e na potencialidade no mesmo aspecto, mas apenas em aspectos diferentes. Pois o que é realmente quente não pode ser simultaneamente potencialmente quente; mas é simultaneamente potencialmente frio. Portanto, é impossível que, no mesmo aspecto e da mesma maneira, uma coisa seja ao mesmo tempo movente e movida, ou seja, que ela deva se mover. Portanto, tudo o que está em movimento deve ser posto em movimento por outro. Se aquilo pelo qual é posto em movimento é ele próprio posto em movimento, então isso também precisa ser posto em movimento por outro, e isso por outro novamente. Mas isso não pode seguir para o infinito, porque então não haveria o primeiro motor e, consequentemente, nenhum outro motor; vendo que os motores subsequentes se movem apenas na medida em que são acionados pelo primeiro motor; pois a equipe se move apenas porque é acionada pela mão. Portanto, é necessário chegar a um primeiro motor, posto em movimento por nenhum outro; e isso todo mundo entende ser Deus. ” [4]

 

Que outras forças formaram o universo? Havia outro ser supremo que trabalhava ao lado de Deus, como um irmão gêmeo, ou poderia haver uma combinação de eventos naturais e sobrenaturais que criaram o universo conhecido como o conhecemos? Mais especificamente, o Big Bang também pode se referir ao nascimento do próprio universo observável – no momento em que algo mudou, dando início aos eventos que levaram até hoje. George Lemaître , um físico belga contemporâneo , usou os dados de Edwin Hubble para explicar como o universo se expandiu. [5] Do buraco negro à Via Láctea, nosso universo é apenas um de muitos e os cientistas ainda estão pesquisando a profundidade de nossa galáxia para outras galáxias que possam existir. Esses gases quentes que formam todos esses elétrons, prótons e átomos começam a formar a terra, o planeta, o ar, a água etc., isso apoiaria a teoria da evolução de que algo apareceu do nada e esses eventos descontrolados criaram nossa existência conhecida. Esses átomos criaram as melhores espécies hospedeiras (humanos, plantas, estrelas, espaço) e tudo começou a se formar. Portanto, se você acreditasse em algo, realmente esse evento seria considerado prova de que Deus precisava de ajuda ou que esse evento desconhecido seria Deus. Como esse evento metafísico seria considerado outro “ser”, isso torna Deus limitado em seus poderes criativos? A segunda prova da existência de Deus pode ser extraída da Summa Theologiae (Prima Pars Q.3). “A segunda maneira é a natureza da causa eficiente. No mundo dos sentidos , descobrimos que há uma ordem de causas eficientes. Não há nenhum caso conhecido (nem é possível) na qual uma coisa seja considerada a causa eficiente de si mesma; pois assim seria anterior a si mesmo, o que é impossível. Agora, em causas eficientes, não é possível prosseguir para o infinito, porque em todas as causas eficientes que seguem em ordem, a primeira é a causa da causa intermediária, e a intermediária é a causa da causa final, seja a causa intermediária várias ou apenas um. Agora tirar a causa é tirar o efeito. Portanto, se não houver uma causa primeira entre causas eficientes, não haverá causa última nem causa intermediária. Mas se em causas eficientes for possível avançar para o infinito, não haverá uma primeira causa eficiente, nem haverá um efeito final, nem causas eficientes intermediárias; tudo isso é claramente falso. Portanto , é necessário admitir uma primeira causa eficiente, à qual todos dão o nome de Deus. ”

Esta teoria parece para ser solidário com Immanuel Kant, filósofo alemão, porque “Nós podemos nunca saber da própria realidade” . Como os seres humanos não estavam presentes no início da criação do tempo e do espaço, essa teoria abstrata do Dr. Lemaître parece plausível, pois essas coisas nos afetam no dia a dia. Precisamos do sol para aquecer, cultivar alimentos, ajudar a plantar, obtendo o dióxido de carbono do ambiente e depois usando a luz do sol para obter sua energia ( fotossíntese ) [6] . Desenvolvemos tecnologias para aproveitar a energia do sol e somos capazes de criar eletricidade, ou seja, painéis solares. Essas experiências sensoriais são sentidas por nós, e é assim que nossa inteligência processa as informações que estão chegando às nossas habilidades de raciocínio. Para mim, não fornece uma base sólida para mim que outra força esteja agindo com Deus para tornar o universo conhecido. I ass ert chapéu, a fim de compreender esta “teoria” para ser verdade, então ele iria mostrar uma fraqueza de Deus na Bíblia. Significaria que ele não é, onipresença, ele não é onisciente e nem prefeito. Isso também negaria que qualquer estudo da metafísica seria inútil, porque, como não se baseia em “fatos científicos sólidos”, a busca pela verdade teria que se basear na nossa interpretação do nosso raciocínio mental. A própria natureza da existência de Deus é agir sobre as forças que ele já colocou em movimento. Como o movimento não é do nada, algo precisa “empurrá-lo” para que tudo se mova. “A primeira lei de Newton afirma que todo objeto permanecerá em repouso ou em movimento uniforme em uma linha reta, a menos que seja obrigado a mudar de estado pela ação de uma força externa”. Se não houvesse vento para fazer a água se mover, o oceano pode produzir correntes por conta própria? Não pode haver movimento se nada agir sobre ele. Seguindo o princípio da razão suficiente, pe. Clarke SJ em seu livro “The One and The Many” pág. 20 descreve que “todo ser que começa a existir requer uma causa” .  Nossa existência é baseada na razão pela qual Deus nos criou para compartilhar seu amor e desfrutar das coisas em sua ordem criada. Sendo um ser puro,


[1] Summa Theologiae: A Existência de Deus (Prima Pars, Q.2)

[2] https://www.school-for-champions.com/astronomy/sun.htm#.XrAoC6hKiUk

[3] https://skyandtelescope.org/astronomy-news/astronomers-find-universes-first-molecule/

[4] Summa Theologiae: A Existência de Deus (Prima Pars, Q.3)

https://www.livescience.com/65700-big-bang-theory.html

[5]

[6] https://sciencing.com/why-do-plants-need-sun-4572051.html

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: